João Gomes de Almeida @ 00:35

Ter, 04/10/11

 

Com tanta crise que para aí anda, com tão pouco dinheiro que nos abana no bolso, com tanta tristeza que torna o mundo num reflexo do nevoeiro da serra dos meus pais, poderia estar certo de que esse mesmo mundo iria acabar amanhã - por certo, ninguém me desmentiria. Viria logo o Vasco Pulido Valente dizer que eu é que tinha razão e que o mundo não só estava para morrer como, aliás, já havia morrido.

(...)

«Sr. Albino, por favor, mais um uísque.»

(...)

Vivemos tempos perigosos, propícios às mortes colectivas, aos holocaustos suicidas e às depressões sumárias, embaladas em caixões de mortos vivos - que à custa de prozacs ainda se passeiam pela rua com um ar cinzentão, como o nevoeiro da serra dos meus pais.

Mas com o tempo, fui aprendendo que todos somos mais ou menos malucos, tendencialmente suicidas e um tanto ou quanto homicidas do nosso bem-estar. Somos uma réplica constante de um tsunami sentimental que gostaríamos de ser - somos uma espécie de Antero de Quental mais ou menos, sem coragem para nos sentarmos no jardim e apertarmos o gatilho.

Somos a versão dos The Cure do novo século, mas desta vez sem pó de arroz e com menos melo dramatismo - agora é foleiro sofrer, é foleiro morrer de amores por quase nada - por isso mesmo, morremos para dentro e fazemos da nossa vida a crise em que se transformou a existência do nosso mundo.

Quantas vezes é que acordamos e pensamos: estou aqui a fazer o quê? Depois, tomamos banho e seguimos em frente, entramos no jogo vicioso do andar por andar, do estarmos aqui sem sabermos bem o porquê. Em pequeninos queríamos todos ser poetas, agora ficamos contentes em sermos aquilo que temos a sorte de ser - e convenhamos, já não é assim tão mau.

Há tempos descobri que a internet, ou como os geeks chamam "a rede", veio mudar um  pouco o mundo. Antes estávamos sozinhos com o nosso uísque, actualmente estamos sozinhos com o nosso uísque, mas em frente a um computador.

Antes, bebíamos uísque e pensávamos como era triste o mundo e as pessoas em geral, hoje pensamos o mesmo, mas temos a nossa timeline. E no twitter, ou no facebook, ou no blog, ou noutra rede qualquer, pensamos o mesmo e gritamos ao mundo: mundo és uma bela de uma merda! E o resto do mundo, que nos tem na timeline, faz um enorme "gosto", como que se de um "check-in" no nosso coração se tratasse. Aleluia! Agora já não estamos sós! Há mais quem à uma da manhã grite e "retuíte" o mesmo que nós estamos a pensar.

Não sei se "a rede" veio desvirtuar as relações pessoais, mas estou certo de que veio dar um novo fôlego à nossa vida. O Antero hoje sentar-se-ia no mesmo banco, apontaria a pistola à cabeça e na altura de apertar o gatilho o iPhone tocaria, a anunciar uma Direct Mensage do Twitter. O seu amor afinal queria voltar. Rapidamente poria o "Just like heaven" a tocar no Facebook e faria um check-in no Foursquare. Talvez até tivesse sido feliz.



Ana Carvalho @ 10:19

Ter, 04/10/11

 

João,
O que diz é verdade (no meu caso, sem uísque) mas, também é verdade, que a "rede" nos ocupa demasiado tempo a sós, quando podíamos estar acompanhados para além do virtual.

Só um reparo:
Há mais quem há ( À) uma da manhã grite e "retuíte" o mesmo que nós estamos a pensar.


João Gomes de Almeida @ 11:09

Ter, 04/10/11

 

Obrigado Ana :)

Obrigadinho!

 

O Polaroid podia ter ganho o prémio de Blog Revelação do ano 2011 da TVI24, mas infelizmente vocês são uns leitores do caraças e não votaram em nós! Mesmo assim, vamos continuar a escrever, sendo que quem levou a taça foi o @ChicodeOeiras e a sua malta esquerdista! Já percebemos que vocês preferem o Mao ao amor e o Enver Hoxha aos nossos textos bonitos! . Agradecemos a vossa ajuda! Obrigadinho malta!


PS - O Zé Maria obrigou-nos a colocar no final disto: "mas continuamos a gostar de vocês".
Pub.
Segue no Twitter
Arquivos
Pesquisar
 
RSS